Quase 40% da extração de madeira na Amazônia é ilegal

Foto: Depositphotos

Quase 40% das áreas com atividades de exploração madeireira na Amazônia não foi autorizada por órgãos ambientais e pelo menos 15% destas irregularidades aconteceram em áreas protegidas, como terras indígenas e unidades de conservação. É o que afirma uma pesquisa publicada pela Rede Simex que é formada pelas instituições Imazon, Idesam, Imaflora e ICV.

Leia também:

Foram mapeados 377 mil hectares com extração de madeira na Amazônia de agosto de 2020 a julho de 2021 e, de forma inédita, a Rede Simex teve acesso aos dados públicos das autorizações para a atividade emitidas pelos órgãos ambientais dos estados do Acre, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima.

No mesmo período, as terras indígenas e as unidades de conservação tiveram 21 mil hectares explorados irregularmente. Esta área equivale ao tamanho de João Pessoa (PB) e corresponde a 15% de toda a área com atividade não permitida mapeada na Amazônia.

Sem árvore, sem dinheiro

Muitos pensam que o desmatamento leva ao progresso econômico, mas trata-se de um péssimo negócio para o meio ambiente e também para a geração de emprego e renda. Desmatar coloca o futuro da agricultura brasileira em risco, suja a imagem do país no cenário internacional, aumenta a insegurança jurídica, a violência e atrapalha o combate às mudanças climáticas. Desmatar definitivamente não promove o desenvolvimento da região.

A maior prova é que entre 2004 e 2012 o desmatamento caiu mais de 80% na Amazônia, enquanto o PIB e a produtividade agropecuária na região aumentaram. As duas boas notícias nesse cenário problemático é que a floresta é muito mais resiliente do que se imaginava e ainda pode gerar riquezas durante o processo de recuperação. A segunda é que o Brasil sabe como combater o desmatamento, pois já fez isso antes.

Levar a Amazônia para o centro do debate reforça a importância da região para o desenvolvimento econômico de todo o Brasil. Refletir sobre a importância da floresta é crucial para que milhares de oportunidades sejam vistas e aproveitadas, gerando riqueza sem destruição.

Com informações de Imazon e Amazônia 2030

Gostou deste artigo? Compartilhe

Compartilhar no Facebook
Share on Twitter
Share on Linkdin
Share on Pinterest
Email
WhatsApp

Postagens Recentes

Deixe um comentário